Quinta-feira, 5 de Dezembro de 2013

A mulher e a morte

No enquadramento da associação que se estabelece entre a mulher e a morte, relacionam-se, neste artigo, dois artigos escritos por mim, a saber, Masturbação feminina no dia-a-dia: suas implicações psicológicas e comportamentais ( Resende, 2008 ) e Orgasmo feminino enquanto “ pequena morte “ ( la petite mort ) ( Resende, 2012 ), com o dito por Jacques Lacan, no seu livro Escritos ( 1996 ). Destacam-se, ainda, aspectos sisíficos relativos à sexualidade feminina, relacionados particularmente com a morte, e o conflito estético na mulher na sua relação com o instinto de morte.

 

Resuma-se, então, aqueles meus artigos, para depois passar ao dito por Lacan.

 

Assim, o primeiro deles refere-se ao hábito diário do comportamento masturbatório feminino, e das suas implicações comportamentais e psicológicas, com o hábito da fêmea humana de se excitar e de se masturbar em qualquer local que se encontre, através da sua musculatura vaginal e pélvica, até atingir o clímax, num movimento paroxístico.

 

Indica-se que já Freud ( 1905 ), nos Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade, nos falava da satisfação sexual sentida pela rapariguinha contraindo os braços entre as pernas, como contraforça, realçando a prevalência deste tipo de comportamento.

 

Mais se refere, que na observação quotidiana, associados a estes comportamentos masturbatórios, estão as eventuais ocorrências de um “ engolir em seco “, aquando do clímax, e, muito importante, as ocorrências de comportamentos sonolentos, como o bocejar, aquando do clímax, em que a mulher ou a rapariga começam a ficar com sono, sendo de realçar a proximidade entre o clímax e os comportamentos sonolentos.

 

Ainda Freud ( 1905 ) nos fala da satisfação sexual associada ao sono, como sendo uma regressão, em que a mulher regressa como que a um estado intra-uterino, em completa dependência de outrem.

 

Destaca-se, nestes comportamentos, que por mais satisfação sexual que se obtenha, a capacidade multi-orgásmica, os comportamentos de “ engolir em seco “ e do comportamento sonolento não diminuem, indicando que a plena satisfação sexual não é obtida, persistindo os comportamentos masturbatórios. Isto leva a crer que diminui a capacidade de procura efectiva de satisfação sexual, na relação, importantemente, o que nos leva à noção, mais ou menos presente, pelo menos na cultura ocidental, da menor iniciativa sexual da mulher, em termos de comportamentos efectivos de procura de satisfação sexual.

 

Ora, quanto a esta menor iniciativa, e quanto à dependência, referida anteriormente, é de notar que Jung ( 1968 ) indica que a mulher que não se identifica com o Eros materno perde a capacidade de iniciativa. É como se a mulher, nesse comportamento sexual típico de masturbação, se identificasse mais com o Tanatos materno.

 

Ainda neste artigo se propõe que preventivamente se deverá facilitar culturalmente, politicamente ( políticas de acesso ao crédito à habitação ), educativamente, etc., a tomada de iniciativa sexual por parte da mulher para que esta possa mais facilmente identificar-se com o Amor.

 

Já no segundo dos meus artigos referidos, acrescenta-se que considerando que a resolução é a fase da resposta sexual humana que se segue ao orgasmo, teríamos aqui que a irresolução crónica na mulher estará associada à morte, sendo neste contexto que se enquadra a famosa expressão francesa do orgasmo feminino enquanto “ la petite mort ), a pequena morte.

 

Cite-se, agora, Jacques Lacan, realçando-se a coerência do indicado por mim e o referido por Lacan nesta citação. Temos, então, que da “ descoberta das migrações da líbido nas zonas erógenas à passagem metapsicológica de um princípio de prazer generalizado até o instinto de morte, torna-se o binómio de um instinto erótico passivo modelado sobre a atitude das catadoras de piolhos, caras ao poeta, e de um instinto destrutivo, simplesmente identificado à motricidade. “ ( p. 111 )    ( Lacan, 1996 ), tendo nós, pois, a passividade erótica associada à menor iniciativa sexual.

 

É ainda de indicar que esta referência ao catar feminino, relaciona-se, por exemplo, com o meu artigo Catar sexual feminino enquanto fobia social ( Resende, 2012 ), podendo nós  referenciar o indicado por mim e por Lacan com o comportamento mais primata de catar, em termos de limpeza, outros primatas, podendo nós intuir que o catar sexual feminino, ou o sentimento de estar a sugar sexualmente outra mulher, nos comportamentos sociais tipicamente sexualizados entre mulheres, derivou, de alguma forma, desse mesmo catar primata. Podíamos também intuir, neste contexto, que a limpeza, que estará implícita no catar sexual feminino, será a limpeza de aspectos mortíferos na mulher. Para mais, dir-se-à que, a caminho do clímax, os aspectos mortíferos vão sendo limpos, particularmente a nível psicológico, e que, aquando do orgasmo, surgirá a pequena morte, em que os aspectos mortíferos voltarão, o que confere uma vertente sisífica ao catar sexual feminino no dia-a-dia. Compare-se este sisifismo, relativo ao Mito de Sísifo, ao aspecto importante de quanto mais orgasmos a mulher obter, no dia-a-dia, menor iniciativa sexual terá.

 

Quanto a estes aspectos sisíficos, já num artigo de 2010, Implicações da castração edipiana na sociedade capitalista ( Resende, 2010 ), referenciei características sisíficas relativas a um enquadramento da histeria, nas sociedades capitalistas. Refere-se aí que a ameaça edipiana implícita em relação ao homem, e decorrente do mito, será a castração visual, castração visuo-narcísica, em que haverá uma tentativa de fazer regredir o homem psiquicamente, narcisicamente, considerando-se que o aspecto visual está associado à voracidade visual das primeiras fases de desenvolvimento do indivíduo. Ora, na mulher, tendo em conta a primazia da sexualidade na histeria, e o facto de esta ser mais característica na mulher, enquadrada nas características fisionómicas da mesma, ter-se-à que ocorrerá uma castração visuo-narcísica, com respectiva sobrecompensação narcísica, que estará subjacente às capacidades multi-orgásmicas da mulher, com dificuldade em obter verdadeira satisfação orgástica. Enquadre-se isto nos relacionamentos sociais tipicamente histéricos, particularmente entre mulheres, e com os homens, em consequência. Ter-se-à que a tendência, psicológica, em particular, multi-orgásmica, decorrerá da sobrecompensação visual associada à castração visuo-narcísica, vista socialmente, em espelho ou imaginada na própria. Considerando que a promiscuidade sexual é característica das mulheres, nas sociedades capitalistas, ter-se-à a tendência de procura e obtenção da visualização do orgasmo feminino. Assim, a mulher procurará restaurar-se narcisicamente pelo orgasmo, próprio e das outras mulheres. Temos, então, o enquadramento sisífico na promiscuidade sexual e na tendência de procura e obtenção da visualização do orgasmo feminino, associados às capacidades multi-orgásmicas da mulher, e isto no sentido da restauração narcísica estar associada ao orgasmo, e visualização do mesmo. O descrito agora faz ainda mais sentido se relacionarmos a castração visuo-narcísica, referida, ao catar sexual feminino, já referenciado quanto ao artigo parcialmente com essa expressão, em que nesse mesmo artigo considera-se que com a variação do surgimento da menstruação nas várias mulheres, ou seja, a mulher não saber quando a outra mulher está menstruada, indagando, eventualmente, de modo visual, sinais como a pintura cosmética, e em que há o sentimento de estar a sugar sexualmente o sangue de outra mulher, o catar sexual feminino surge como uma ameaça de castração, em que a menstruação fará lembrar o sinal depressivo de perda do pénis já efectuada. Para mais, o condicionamento hipnótico típico do catar sexual fará com que a ameaça de castração tenha uma significativa influência. Percebe-se, então, melhor, a relação sisífica entre a castração visuo-narcísica e a restauração narcísica decorrente do orgasmo, e sua visualização, perspectivando-se, ainda, a associação que se pode estabelecer entre a presença do sangue, menstrual, com a amputação precoce imaginada do pénis, e as conotações de morte que lhe estarão relacionadas, como feridas mortais de guerra, de acidentes e outras. Teríamos aqui, poder-se-ia dizer, o luto do pénis perdido, luto esse, pelo descrito, não resolvido.

 

Continuando, realce-se, antes de mais, o comportamento orgástico tipicamente associado ao dia-a-dia da mulher e as consequências que já mencionei ao nível da identificação da mulher com o instinto de morte.

 

Também aqueles meus artigos citados nesse sentido, com as referências já descritas, se relacionam com o indicado noutro artigo meu, a saber, O sobrecompensatório na mulher ( Resende, 2012 ), complementando-o importantemente. Neste, refiro, em particular, que o comportamento habitual manifestado, especialmente, por mulheres mais velhas, de pintar o cabelo, cobrindo o cabelo branco e grisalho, sinal manifesto de envelhecimento e velhice, revelam uma espécie de trauma transpessoal de género, o feminino, de não ter contribuído, assim o sentirão, tanto historicamente como os homens, para a sociedade, particularmente a Ocidental. Assim, tentarão sobrecompensatoriamente parecer mais novas, como que tentando afirmar que ainda vão a tempo, tentando denegar que nas suas vidas pessoais não se terão sentido como contribuindo tanto ou compensando tanto aquele sentimento histórico. Ora, o comportamento referido de pintar o cabelo, denegando a velhice, em conjunto com o indicado naqueles dois artigos mencionados primeiramente, como nas restantes descrições, revelarão, importantemente, e de maneira mais ou menos manifesta, um medo relativamente generalizado do género feminino da morte, e importantemente da proximidade da mesma.

 

Tenha-se em conta que a identificação da mulher com o instinto de morte, já referida, em conjunto com este medo do género feminino da morte, leva-nos a pensar no medo de morte da mulher dela própria, o que nos fornecerá contornos mitológicos Pandóricos, referentes à Caixa de Pandora. Este aspecto também estará presente na citação anterior que fiz de Lacan, quando ele fala em instinto destrutivo, associado ao instinto de morte. Assim é, pois a caixa de Pandora, na mitologia grega, refere-se ao comportamento de Pandora, primeira mulher criada por Zeus e pelos deuses, relativamente a uma caixa misteriosa, onde Zeus metera, em segredo, todos os flagelos e desastres. Esse comportamento, motivado pela curiosidade, foi desobedecer à recomendação de não abrir a caixa, e abri-la. Assim, escaparam-se da caixa os males que atormentam o mundo, acontecendo que quando procurou fechá-la apressadamente, só havia uma coisa lá dentro: a esperança ( Guedes et al., 2004 ). Relativamente ao já dito, quanto à relação entre a mulher e a morte, temos, pois, uma mensagem mitológica de esperança.

 

Repare-se ainda que Meltzer & Williams ( 1988 ), abordando a apreensão da beleza e o papel do conflito estético na violência, nos dizem que o conflito estético é uma fundação para o desenvolvimento normal, baseado na relação interna mãe-bebé. Ora, o que eu referi anteriormente quanto ao pintar do cabelo como denegação da velhice, tendo nós aqui um conflito estético, aponta consequentemente para um desenvolvimento patológico, tendo, lá está, maior relação com a violência destrutiva do instinto de morte, e com a proximidade dessa mesma morte. Realça-se, agora, o aspecto sincronístico entre uma citação desse mesmo livro de Meltzer & Williams, relacionando conflito estético e violência, e a utilização que eu fiz do mito de Pandora. A citação é: “ Formulation of the aesthetic conflict as an inside-outside problem, as a conflict between what could be perceived and what could only be construed, led directly to the problem of violence as violation: violation of the privacy of internal spaces and their representations. “. Assim, psicanaliticamente, podíamos associar esses espaços internos, e suas representações, assim como a caixa de Pandora, e de forma simbólica, à vagina, ao sexo feminino, o que seria coerente com as características sexuais, e suas consequências, relacionadas com a mulher, descritas neste artigo.

 

Antes de finalizar, cito um verso, que se refere a uma mulher, de um artista musical estado-unidense famoso, Prince, na sua canção “ Thunder ”: “ Only the children born of me will remain! “.

 

Finalizando, dir-se-à que a mensagem de esperança, referida no artigo, é de que a mulher deverá ter Amor por ela própria e pelos outros, particularmente, na identificação com o Eros materno.

 

 

Bibliografia

 

Freud, S. ( 1905 ). Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade ( tradução portuguesa ). Edição “ Livros do Brasil “

 

Guedes, F. et al. ( 2004 ). A Enciclopédia, Vol. 15, p. 6399. Editorial Verbo, S. A.

 

Jung, C. G. ( 1968 ). The Archetypes and the Collective Unconscious ( 2ª edição ). Routledge & Kegan Paul Ltd.

 

Lacan, J. ( 1996 ). Escritos. Editora Perspectiva

 

Meltzer, D. & Williams, M. H. ( 1988 ). The Apprehension of beauty: the role of aesthetic conflict in development, art and violence. Perthshire: Clunie Press. In Google Livros ( consultado em Novembro de 2013 )

 

Resende, S. ( 2008 ). Masturbação feminina no dia-a-dia: suas implicações psicológicas e comportamentais em www.redepsi.com.br, na secção Artigos/Teorias e Sistemas no Campo Psi em 12/11/2008

 

--------------- ( 2010 ). Implicações da castração edipiana na sociedade  capitalista em www.redepsi.com.br, na secção Artigos/Teorias e Sistemas no Campo Psi em 16/11/2010

 

--------------- ( 2012 ). Orgasmo feminino enquanto “ pequena morte “ ( la petite mort ) em www.psicologado.com ( proposto a 05/2012 )

 

--------------- ( 2012 ). Catar sexual feminino enquanto fobia social em www.psicologado.com ( proposto a 06/2012 )

 

--------------- ( 2012 ). O sobrecompensatório na mulher em www.psicologado.com          ( proposto a 12/2012 )

publicado por sergioresende às 10:47
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. Complemento a Etologia e ...

. Anima e Animus: conquista...

. Teoria do Tudo em Psicolo...

. Exopsicologia e obesidade...

. Perspectivas evolutivas d...

. A internalização da lei d...

. Complemento a O palhaço d...

. Complemento a Inteligênci...

. Generosidade fálica na mu...

. Exopsicologia e ascensão ...

.arquivos

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds